PAI SE LIVRA DE PRISÃO

foragidoUm pai ficou livre de uma possível prisão por falta de pagamento de pensão alimentícia atrasada, depois que demonstrou estar ainda efetuando o pagamento mensal corrente e que sua prisão acabaria prejudicando também os beneficiados da pensão.

Veja na seguinte decisão do STJ como isso ocorreu e como é argumentado que “a decretação da prisão deve fundar-se na necessidade de socorro urgente e de subsistência”.

* * *

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) revogou decreto de prisão contra um homem que deve R$ 28 mil em alimentos. O habeas corpus foi concedido em razão do regular desconto, em folha de pagamento, dos valores relativos à pensão alimentícia. Nessa situação, os ministros consideraram que a prisão não só era desnecessária, como poderia prejudicar o beneficiário.

No caso, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) restabeleceu o decreto de prisão na ação de execução movida pela ex-mulher e o filho. O homem alegou que realiza, mensalmente, depósitos no valor de cinco salários mínimos, e que não possui meios de arcar com o pagamento acordado devido à redução de sua capacidade financeira.

A execução alimentar foi promovida com um valor inicial de R$ 7 mil, tendo sido totalizada uma dívida de R$ 197.958,20. O autor do habeas corpus sustenta que pagou R$ 169.775. Segundo informações do TJRJ, em duas audiências realizadas, ocorreu a adjudicação de um veículo de propriedade do paciente, bem como a avaliação de um imóvel penhorado e de bens móveis penhorados a leilão.

O relator do caso no STJ, ministro Paulo de Tarso Sanseverino, observou que a ação de execução foi iniciada em 9 de outubro de 2003, correspondendo às prestações vencidas entre maio e julho daquele ano. A prisão civil foi decretada somente em 3 de março de 2011.

Desconto em folha

De acordo com os demonstrativos de pagamento do governo do estado de Pernambuco, houve os descontos, na folha de pagamento do paciente, no valor de R$ 1.275, referente ao mês de maio de 2010, e também no valor de R$ 1.362,50, referente a julho de 2011.

“Percebe-se, assim, que o paciente vem pagando há mais de um ano, regularmente, via descontos em folha, os alimentos de que é devedor, o que retira, de certa forma, a urgência da coação prisional”, avaliou o relator.

O ministro apontou que os credores estão recebendo o crédito alimentar e o saldo ainda em aberto está garantido por imóvel penhorado, além de outros bens que estariam prestes a ser expropriados, conforme prevê o artigo 732 do Código de Processo Civil.

Tudo isso recomenda, segundo o relator, a possibilidade da busca do saldo devedor remanescente por via menos gravosa ao devedor, lembrando que a prisão civil serve como coação e não punição. Citando a doutrina de Cahali, segundo a qual “a decretação da prisão deve fundar-se na necessidade de socorro urgente e de subsistência”, o ministro verificou que esses requisitos não são preenchidos no caso, sendo, portanto, desnecessária a prisão civil decretada. Por essas razões, a Turma confirmou a liminar deferida anteriormente e concedeu a ordem.

Comments   

+1 #4 Mayko godoy 2015-08-29 03:22
A prisão funciona como ? Quando um bandido não cumpre a lei ( um pai de família desempregado pode ser considerado um bandido ?) o juiz recebe 28mil de salário por mês além de várias regalias ... Na hora de condenar pra ele 5 ou 6 mil é mixaria ... Mais quem ganha igual a eles ???
+4 #3 antonio marcos santo 2013-02-16 02:30
a lei sobre pensoa e muito falha pois como sustentaremos nossa familia preso???
+6 #2 domingos lima dos re 2012-05-31 14:07
havia pago a pensao em um acordo com minha ex;a 52 dias.mesmo assim fui preso pelo mesmo processo.